14
abr

51

Minha Primeira e Sétima Meia Maratona

Essa semana eu to cheia de coisas pra contar pra vocês! Mas a primeira tinha que ser essa!

Todo mundo sabe que eu amo correr, que ta no meu sangue, que ta no meu cérebro, que ta no meu coração, que eu respiro (e gostaria de transpirar também) isso. Mas, não posso correr mais do jeito que eu sempre gostei e gosto! Porém, nem tudo está perdido!

Fui pra São Paulo essa semana, pra participar da Reatech. Eis que sexta à noite, minha mãe japa, Marina Kuriki, me manda um whatsapp assim: “Vai ter a Meia da Corpore domingo. Você não quer ir ver o pessoal? Dá pra fazer os 5km de cadeira.”  A minha cadeira não passa nas portas do apt da Má. Ela acionou outro amigo nosso, o Michel Honda (que me ajuda e me apoia tanto!) e ele imediatamente disse que me hospedaria. Nossa! Que vontade de estar lá na corrida! Porém, no mesmo instante, lembrei que não podia ir com a minha cadeira. Depois de alguns acidentes, as organizações das provas não permitem mais cadeiras do dia a dia em provas. Apenas cadeiras de atletismo e handbikes são permitidas. Além, disso, eu não tinha nem roupa! Só tinha trazido uma legging preta (uniforme oficial das cadeirantes). Mas a Marina disse que ia me emprestar tudo! Camiseta, top, tênis, meia, tudo!

Caramba! Eu tinha 24horas pra conseguir uma handbike! Mandei um post desesperado no sábado de manhã, no facebook, tentando conseguir uma hand emprestada. Alguns amigos indicaram amigos, mas nada de eu conseguir uma. E eu estava na Reatech o dia todinho, caçando gente que poderia ter e que não usaria no domingo. A feira encerrava 19h e nada! Mas, eu tenho um amigo porreta, o Sidney Mayeda, que tem uma hand de passeio. É uma adaptação que ele prende na cadeira de rodas normal, mas ele usa uma esportiva (daquelas de basquete), que é mais leve. Tudo junto, pesa 21kg! Ele usa essa bike pra se exercitar no parque  e estava com ela na Reatech, incentivando a galera a se exercitar também. No mesmo momento que eu pedi, ele disse : “Claro Dani, pode levar.” Meus olhos encheram de lágrimas. Eu nem acreditava que eu ia conseguir! Bom, se eu consegui a hand, eu não ia correr os 5km. Eu ia pros 21km!

A Marina foi me buscar, colocou a hand do Sidão no carro, a minha cadeira, mala e cuia no carro dela, e partimos pra casa do Michel. Aí começou o problema número 1 – começou a cair o maior pé d’água do Brasil. Eu achei que a chuva fosse arrastar o carro na rua. Respira, chegamos no Michel. Jantamos (ele fez um yakissoba caseiro maraviwonderful e pediu pizza), rimos, conversamos. E a chuva não parava nunca mais. A Má foi embora e eu fui pra cama. Mas não conseguia dormir. Problema número 2 – eu estava mortinha de cansada e nada de pregar “uzói”! Mas fiquei orando, pedindo pra Deus (e pra todo mundo que me chamava no whatsapp eu também pedia pra orar) praquela chuva toda parar de chover até de manhã. Fiquei monitorando a chuva até 2h da madruga, agitada. Eu não dormia de jeito nenhum! Estava ansiosa pela prova! Dormi. O despertador tocou 4:40. Ou seja, não dormi nadica de nadéx! Mas, parou de chover! Problema 1 resolvido. Problema 2…deixa pra lá!

Com um olho aberto e outro fechando, abri a bolsa com as roupas da Marina. Coincidentemente, ela me emprestou a camiseta da Maratona de Revezamento Pão de Açucar de 2012. A última prova que eu tinha corrido em SP! E me trouxe um tênis Asics. Eu sempre quis testar um Asics pra ver se era mais confortável que o Mizuno (que eu usava pra correr). Agora estava com um Asics no pé, mas não sabia se era melhor pra correr. Nem saberia, por motivos óbvios! Me troquei, juntei as tralhas. Michel já tinha feito meu café e a Marina já estava lá me esperando. Partimos pra USP. Quando chegamos, meu coração já acelerou, de ver tanta gente ali, pra correr. Lembrei da última vez que estive ali pra uma largada, na Fila Night Run de 2009. E na última vez que passei por ali correndo, quando fiz os 25km na Maratona de SP em 2011.

O moço nos guiou para o local dos cadeirantes estacionarem. Só handbikes top de competição. Descemos do carro, a Má montou a hand do Sidão. Quando desci do carro, um senhor de aproximou, perguntando quantos km eu iria fazer. A Má disse que eram 21. Ele respondeu “Se é a primeira vez dela, e com essa bike, melhor ir pros 5km.” Mas ele não me conhece! Perguntei o nome dele, pois estava com a camiseta da Achilles. Era o senhor Rollo, com quem eu tento falar desde que a Dri, minha amiga corredora aqui de Ribeirão, me falou da Achilles. Ele lamentou não termos conseguido falar antes, me deu um cartão e ofereceu suporte durante a prova. Também me deu um número de peito, pois eu não tinha (ia usar o da Marina e ela ia correr de pipoca).

Partimos pra tenda e, começamos a ver os amigos. Que delícia estar ali, no meio dos amigos. Vi a Drika (cabeça), a Claudinha ( a “papa-pódios” rs), que eu só tinha visto em Maresias, na minha última prova “andando”.E vi mais um monte de gente legal, que eu só conhecia pelo face.

Fomos pra largada, pois a dos cadeirantes seria 15minutos antes. Notei que no km 13, passaríamos por ali. Pensei “Se eu estiver morrendo, eu paro no 13.” Mas isso não estava muito nos planos.  Seria só no caso de eu estar desmaiando, tendo um colapso, tendo disreflexia, ou morrendo mesmo.

1011796_780081265335895_6683714393625711_nLá estava eu, na largada com a galera da handbike. Eu estava morrendo de vergonha, pois eu era uma estranha no ninho. E também era a única com uma handbike de passeio.  E sem nenhum equipamento também! Mas tudo bem. Eu sabia que iria demorar muito mais pra completar a prova (estava com uma bike que pesava 21kg e eles com bikes que pesam menos de 14kg). Comentei com a Marina sobre isso e ela disse algo que me fez chorar: “O que importa é que você está aqui, no seu lugar! Aqui é seu lugar! E do nosso lado.” Sim, ali era meu lugar: numa corrida! E eu não estava ali pra competir, mas pra completar a prova.  A Claudia, mãe da Bia, uma querida,  se ofereceu pra me ajudar e disse que a turma dela, da Klabhia Running, me ajudaria também! Apareceram também voluntários da Corpore.

Largamos! A turma da handbike sumiu em 2 minutos! A Marina do meu lado, a Claudia e a Bia também, além da Laila e da família dela. Primeiro, a Má e o Roberto Itimura começaram a me ajudar, porque a hand era muito pesada! No segundo km, o pai da Laila engatou um guarda-chuvas atrás da minha cadeira, pra facilitar pra galera me dar uma força e não acabarem com as costas. Mas…ai meu bumbum! Tive que ficar a prova inteira indo um pouquinho pra cá e um pouquinho pra lá, com medo de que o guarda-chuvas fizesse pressão e abrisse uma escara.

No primeiro km, algumas pessoas começaram a gritar “vai” , “isso mesmo”. E eu toda distraída, conversando. Até que a Má e meus amigos começaram a responder. Aí eu saquei que aquilo era pra mim! Que bestinha! O povo deve ter achado que eu sou grossa, porque não respondi.

Bom, se eu contar tudo que aconteceu, km por km, vocês vão enjoar. Então, vou tentar resumir, gente! Lá pelo km 3 ou 4, eu acho, a Má foi descansar um pouco! Afinal, semana passada ela fez 42km de montanha, na Maratona do Fim do Mundo.

No km 5, eu pensei “bom, sem ajuda da galera, eu teria que parar aqui. Mas vambora! Não to sozinha. ”

No km 10, assim que passamos a placa, eu dei uma chorada. Mas ninguém viu! Ainda bem…10252114_540776776040302_1872685984668690283_nrs  Foi aqui também que começou meu maior problema na prova! Eu sabia que eu não conseguiria parar durante a prova pra ir ao banheiro. Então, eu estava regulando a água ao máximo, pra não sentir vontade de fazer xixi. Estava bebendo pouco mesmo! Tinha pontos de água que eu nem dava um golinho. Mas, todo km 10 numa meia maratona, vira meu km do mal! Quando eu corria, era aqui que meu joelho acordava e começava a doer. Mas, aqui, minha bexiga começou a dar sinais de que precisaria ser esvaziada. Além disso, eu não forço o joelho. Mas o trapézio! Corpo, você não me dá uma folga, hein?! Fala sério! Ta querendo me boicotar?

Fui controlando a água durante a prova. As pessoas que passavam, me davam muita força! Teve um moço (lindo maravilhoso), correndo com um amigo, que passou por mim lá pelo km 16 e disse “Quando estamos cansados e pensamos em desistir, a gente vê uma menina dessa e sente vergonha”. Não moço! Não sinta vergonha! Corra mais rápido, já que eu não consigo. As pessoas davam bom dia, batiam palma, elogiavam, conversavam um pouquinho. Foi muito legal! O staff de prova também sempre gritava! Isso dava um ânimo pros meus bíceps não desistirem!

Tomei meu gel (presente da Má, ja que eu caí de paraquedas na prova e não levei nada) no km11, com pouca água. A Má apareceu bem nessa hora. Tirou foto e revezou um pouquinho com o Pestana, na ajuda à minha pessoa. Parou no 13km pra descansar de novo, quando chegamos nas tendas. Nessa hora, o pessoal dos 5km e das tendas, gritava muito pra me incentivar. E meus dedos, não aguentavam mais segurar o guidão da bike! Eu tenho lesão alta e meus dedos são fracos. Eles começaram a tremer aqui, enquanto eu passava pela galera da handbike que já tinha terminado a prova. Perguntei pro Pestana quanto tempo tínhamos de prova. Fiz as contas. Se continuássemos nessa média de velocidade, eu acabaria minha primeira Meia na cadeira com o mesmo tempo da minha primeira Meia andando. Vai bracinho, vai bracinho!

No km 15, dei mais uma choradinha. Lembrei da minha primeira Meia, no Rio, quando eu passei debaixo dessa placa. Aliás, todas as minhas outras 6 meias maratonas, foram passando como um filme. E vários treinos também. E as dores nos joelhos, os sacos de gelo, os amigos, as medalhas, as tentativas de baixar o tempo. E agora, eu tinha é que terminar essa meia. Esse desafio. Aqui meus trapézios já estavam adormecidos. Meus bíceps também. Eu nem sentia mais dor. Só nos dedos (agora está difícil pra digitar).

10178001_431206043690481_7887651010500666323_nNas subidas da prova eu sofria. E o Pestana também, pra me empurrar. Nas descidas, eu tinha que frear muito, ou capotava. E capotamentos não me trazem muita sorte!rsrs  Melhor não!

No km 18, meu xixi do mal queria sair. Até pensei em fazer ali mesmo. Tantos corredores fazem no meio da prova. Mas eu iria molhar o forro da almofada. E da corrida, eu iria pra Reatech. Daria tempo de lavar o forro, mas ele não iria secar. Ainda mais num dia sem sol! Eu teria que segurar. Comecei a ter disreflexia, muitos espasmos por estar segurando o xixi. Queria tomar mais água, mas isso me daria mais vontade de fazer xixi. E as pontas dos meus dedos já estavam adormecidas de segurar o guidão. Mas se eu soltasse, seria tombo na certa!

Eu fui a prova inteira com o pessoal da Klabhia (às vezes eu dava uma adiantadinha, às vezes elas me passavam, às vezes íamos juntas) a prova inteira! E eu tenho muito a agradecer a esse time e grupo de amigos! Especialmente depois do km 18, quando eu já estava no pau da goiaba e eles ali do meu lado. – agora tem foto!!! – Klabhia

 

O Marcos Pestana foi meu anjo durante a prova inteira. Eu pedalei os 21km na bike de 21kg, mas ele me empurrou 90% do percurso! Sem ele, eu não teria conseguido! Ele é voluntário da Corpore. Algumas pessoas, também me empurraram, pra revezar com ele. Gente que eu nem conheço! E que sem eles eu não teria conseguido!

No km 19 apareceu a Má! Eu disse que estava com dor e passando mal por causa do xixi, mas que iria terminar, e ela comigo ali, me dando força. Vi a placa do km 20 e com ela, vários amigos que passaram por mim durante a prova e eu disse “Me espera na chegada”, mas como disse a Eliane Lilika “Viemos te buscar”. Ela levou o filho, a Ilzinha…Como é bom ter amigos, que foram aparecendo nesse final. E a placa do km 20 me deu uma força fora do normal! Só faltava 1!

10255280_640129509392645_6986282643584385650_n

10255858_640129266059336_2088760788231450889_n

O Pestana falou “Vamos dar um sprint”. Nem sei de onde ele e eu tiramos forças! E meus amigos juntos com a gente. Foi quando a Lilika disse “Dani, olha o pórtico de chegada”. Eu vi! E eu fui! Quando faltavam alguns metros, já comecei a chorar!

10264933_640129632725966_6523103347251352394_nAs fotos da chegada não tem glamour, só umas caretas de choro sem fim. Eu nem acreditava que isso estava acontecendo! Eu só conseguia chorar e abraçar a Marina. Eu chorava muito! A ideia de participar da corrida foi dela! E quando eu falei de fazer os 21km, ela não tentou me dissuadir em nenhum momento. Pelo contrário. Cansada da maratona da montanha, ela só tentava encontrar alguém pra me ajudar. E apareceu o Pestana, que eu só abraçava e agradecia, porque eu chorava tanto que não conseguia falar.

1619361_640129546059308_8820490270297217075_n

Quem falou foi minha bexiga! Atrás dos enfermeiros da chegada, a Má viu um banheiro. Desmontaram a hand.  A galera me carregou pra porta do banheiro químico, a Ma limpou e forrou o banheiro e eu…desabei! Pouca água, pouca reposição durante a prova, poucas horas de sono à noite e muita emoção = minha pressão caiu! Eu não desmaiei, mas foi por pouco! Eu parei na hora que percebi o trem feder. Aí eu bebi 200litros de água e isotônico.  E comia feito um dragão. O Pestana me deu mel, a marina uma barrinha de frutas. Eu disse que queria o torrone e alguém (foi uma amiga, eu tava bem pra lá de Bagdá. Não lembro quem foi) me deu um pequenininho. Um enfermeiro veio com uns aparelhos e disse que os batimentos e a saturação estavam boas, mas depois do banheiro, era pra me levar até ele. Sim gente, eu sou tão glamurosa, que tudo aconteceu na porta do banheiro químico, com o vaso todo forrado de papel! Um arraso! Melhorei e, ao contrário do que eu pensava (que de segurar tanto o xixi, eu ia demorar mil anos pra uretra e a bexiga pararem de contrair de espasmos), eu não demorei nem 5segundos.

Ali fora, já tinha vários amigos pra me cumprimentar. Saí do banheiro, o enfermeiro veio e eu disse que já estava bem. Todo mundo perguntou se eu precisava de algo e eu disse “Sim! Eu quero a minha medalha.” Todo mundo riu do ser quase tendo um treco e só pensar na medalha.

Mas, eu não tinha chip! Quando a moça da medalha perguntou, eu disse que perdi. O Pestana disse que dava a dele pra mim, mas a moça disse “de jeito nenhum!! Pode levar!” Moça gracinha! <3  Perguntei pro Pestana o tempo: fizemos 2 minutos abaixo na minha primeira Meia.

Lá fomos nós, tirar mil fotos com tantos amigos que apareceram, o José Munhoz, a Fernanda Balster, tanta gente! E com meus anjos Marina e Pestana! obrigada ao Sidão que m10171661_607948799296716_6976369982651109352_ne emprestou a bike e me permitiu realizar esse sonho! E aos poucos que contei que ia fazer essa maluquice, e que me apoiaram incondicionalmente! Obrigada a todos que me empurraram, quem gritou e me incentivou durante a prova!

 

1978836_780080948669260_889663408186375209_n10009897_740556539316526_7901174647936782216_n

 

Quando as pessoas me perguntam do acidente e eu digo que corria, eu sempre falei que era Meia Maratonista. Agora não! Agora eu SOU, de novo, Meia Maratonista!

10153761_779518692058819_4366590049751684209_n

 

04
abr

14

Cadeirante na academia

Galera, muita gente tem me mandado mensagem (meninas e meninos) perguntando como eu faço pra treinar na academia. As perguntas são variadas. “Como você passa pros aparelhos?”, “A academia é adaptada?”, “Quais os exercícios que você faz?”.

Na verdade, talvez esse post seja esclarecedor pra muita gente, mas muitos também vão me odiar! rsrs  Isso porque muita gente me diz assim “Mas não tem academia adaptada perto da minha casa.”.

Olha só, pessoal. Academia adaptada não existe! O que existe é uma academia que permita que você entre (não tenha degraus, por exemplo) e que tenha um banheiro com a porta grande o suficiente pra gente entrar.  E olha que eu já vi gente sendo carregada nos dois ou três degraus de entrada, tudo pra poder ir malhar.

936573_609714165705940_1262672650_nOutra coisa que muitos me perguntam e que não existe são aparelhos adaptados pra cadeirante. O pessoal fala “ah, mas na academia aqui perto de casa não tem aparelho pra cadeirante.” Claro que não! Esses aparelhos não existem! Exceto aqueles aparelhos que imitam uma handbike, o resto é tudo aparelho normal, que qualquer pessoa pode usar! Mas e os aparelhos do Sarah? Eles são iguais a quaisquer outros, de qualquer academia. Mas lá há algumas adaptações, como as garrinhas, que podemos encontrar em academias “normais” também.

Então, o que podemos fazer?

cadeirantes-arturPrimeiro, você precisa querer ir! Precisa querer muito! Precisa sair do sofá, sentar na sua cadeira e ir até lá.  Depois, você precisa estar disposto a adaptar-se e procurar meios de adaptar os exercícios. Chegando lá, você precisa não ter vergonha de pedir ajuda, sorrir para o instrutor e dizer que você precisa dele.  Então, você e o educador físico encontrarão formas de transferir você pros aparelhos e de adaptar alguns exercícios para você e seu tipo de lesão. Aí, você vai estacionar a sua cadeira nos aparelhos, ou se transferir pros que tem banquinho, e fazer os exercícios!

Se você é tetra, e precisa das garrinhas, você pode comprar pela internet e levar com você, caso a academia não tenha. Você também pode levar uma faixa com velcro e pedir pro professor amarrar suas mãos nos aparelhos (assim não gasta dinheiro com as garrinhas).

Mas, pessoal, não adianta dar desculpas que a academia não é adaptada, porque você não vai encontrar nenhuma no mundo que seja feito sob medida para você e para o seu tipo de deficiência. Você precisa adaptar-se ao meio, ou seja, ao mundo. Sempre fazemos isso. Por que não fazer pra ir pra academia também?

core-360c2b0-para-cadeirantes-c3a9-um-treinamento-personalizado-visando-a-melhora-da-capacidade-funcional-do-indivc3adduoO que encontramos também são professores que não sabem o que fazer com a gente! Podem rir, mas é verdade! Eles olham pra gente, pra cadeira e não sabem por onde começar! Além dos exercícios que eu e alguns educadores físicos adaptamos, e dos convencionais, que eu já faço, estou pesquisando muito pra melhorar os meus treinos. E vou começar a dividir tudo com vocês. Não tenho celular top, nem câmera de alta resolução. Não esperem imagens de TV! Mas vai dar pra ver, eu prometo!

Agora, se você está com vergonha, porque está gordinho e não quer chegar sedentário na academia, ou se você não tem mesmo dinheiro para pagar uma mensalidade, ou ainda, se você mora em cidade pequena e não tem academia aí, calma! Seus problemas acabaram! Mentira!hahahaha  Mas eu prometo ajudar também, dividindo com vocês alguns exercícios que podem ser feitos em casa.

Antes de tudo, você precisa querer! Precisa parar de dar desculpas e encontrar justificativas pra ficar em casa. Pra ficar em casa é fácil. Tem dias que eu também quero ficar (tem dias que eu realmente fico, por estar cansada). Não pensem que eu sou um poço sem fundo de animação e que não tenho problemas, pois isso não é verdade! Mas,  se eu ficar só pensando besteira, eu vou pegar uma barra de chocolates por dia, sentar na frente da TV e ficar vendo filme o dia inteiro, ao invés de ir cuidar da minha saúde! Pense nos benefícios que você terá daqui um tempo e comece logo! Não deixe pra segunda-feira, pra semana que vem, pro mês que vem…Comece hoje!

 

10
mar

0

Meu primeiro treino de verdade, na pracinha

Gente, comecei a refletir esses dias e pensei “Acabei de incentivar a galera a tocar a cadeira no parque ou na pracinha, e eu mesma, só to tocando por 3 quarteirões. Tudo bem que é subida, mas…eu to tipo fake! Faça o que eu digo, porque eu não faço.”

Criei vergonha na cara e resolvi mudar isso!  Na sexta, vi no grupo do pessoal da corrida, que havia 3 tipos de percurso para o treino do dia seguinte. Conversei com um dos treinadores, o Eduardo Vicentini, e ele disse pra eu aparecer na praça, que ele ia me ajudar (pra quem conhece Ribeirão, a Praça da Bicicleta, onde a maioria das assessorias de corrida monta suas tendas e leva as turmas pra treinar).

Sábado de manhã, o Rodrigo, o meu ex-treinador de corrida, passou aqui pra me buscar e fomos. Não vou mentir pra vocês. Deu um aperto no coração estar lá, depois de 1 ano e 4 meses. Estar naquele lugar que eu tanto amava, debaixo daquela tenda, onde eu era tão feliz e sabia. Porque era dali que eu saía pra correr e era pra lá que eu voltava, toda suada e endorfinada, quando o treino acabava.

Era dia da mulher! O pessoal da Companhia Athlética tirou a foto da turma e deixou coloridas apenas as meninas da equipe, em forma de homenagem.

1969357_610828708995270_781789967_n

Meu coração de corredora ficou pequeno, vendo tanta gente correndo e eu sentadinha na cadeira. Mas, eu fui pra lá com um objetivo e queria cumpri-lo. Pois bem, o Du me passou o percurso que ele julgou bom pra eu começar. Coincidentemente, era parte do percurso que eu fazia quando corria. Mas, vamos la! Coloquei minhas luvinhas e fui.

No começo, descida. Haja mão pra frear a cadeira! Eu não podia ir pela calçada toda esburacada, então fui pela rua mesmo, bem no cantinho. Quando cheguei na rotatória da Presidente Vargas, onde fica a Cical, resolvi aproveitar a guia rebaixada deles e subir na calçada, porque ali os carros passam voando pela avenida. Lindo, a calçada bonitinha, sem buraco. O problema era? Descer! Porque quem me conhece sabe que eu sou a pata medrosa da cadeira! Eu não sei descer degrau empinada e tenho medo de descer de costas e a cadeira virar. Estava eu, a lutar contra meu próprio pavor, quando passou um casal e ficou atrás de mim pra cadeira não virar. E lá fui eu pela rua de novo, porque as calçadas ali…Socorro! Tem umas rampas que parecem a ladeira do pelourinho, e buraco, reforma de loja…Impossível. Mas no asfalto também..Nada fácil! O asfalto é feito como se fosse um arco, pra água da chuva escoar. Resultado? Próximo ao meio fio, o chão é totalmente inclinado. Duas tocadas na cadeira e seguuuura peão! Ou a cadeira bate no meio feio. Mais duas tocadas e…seguuuura de novo! Meus braços já estavam moídos e eu não estava nem na metade. Foi quando passou por mim um grupo de ciclistas e gritou “É isso aí! Força! Só fica em casa quem quer.” É isso aí! Vai bracinho! Porque eu acordei 6:30 da manhã pra terminar isso aqui.

Eu estava indo pela área reservada pros carros estacionarem. Como era cedo, não havia carros ali. Porém, no último quarteirão do meu trajeto , a área vira terceira faixa da avenida, pra quem vai virar na Fiúsa. Eu não tinha pra onde ir e continuei ali. Os carros pareciam não se importar, pois desviavam de mim, dando bom dia! Muita gente abrindo os vidros, gritando “Bom dia”, “Vai lá”, “É isso mesmo”. E buzinando.

Virei na Fiúsa e resolvi continuar pela rua, pois não havia como subir na calçada. E era uma calçada tão lisinha…  Lá fui eu, duas tocadas na cadeira e segura. Aí o pessoal começou a passar por mim correndo. Verdade seja dita, chorei. Chorei um pouco, relembrando quantas vezes passei por ali correndo, cantando sozinha loucamente, ou enquanto conversava com a Paty, ou com o Léo, ou com a mãe (a mãe do treinador), ou com outros tantos amigos, ou cruzando com outros corredores conhecidos, de outras assessorias, que vinham no sentido contrário. Engole o choro, mulher!

Umas boas tocadas de cadeira depois, a Aninha passa por mim (meia Aninha. Emagreceu muuito! Tá um arraso). Ela e outra corredora me colocam na calçada. Ô, ô, ô, alegria! alegria! (é assim a música, né?!). Meus braços felizes tocaram a cadeira por dois quarteirões enormes, mas com calçadas lindas que me permitiram avançar.

No final, encontrei a Dani e o marido dela, que me ajudaram a descer o meio fio do Colégio Santa Úrsula, que não tem rampa, mas tem uma calçada tão alta que me senti descendo o abismo. Agora, subida da pracinha. Pensei “ui”. Mas foi tão tranquilo que me admirei.

1904109_761934267150595_1593141522_nA filha da Dani, a Ananda, queria andar de patinete na praça (olha nós duas com cara de sono, quando chegamos). Ainda dei várias voltas com ela na pracinha, fazendo a subidinha feliz da vida. A Fer passou por mim numa dessas subidas e disse “Nossa, os músculos das suas costas estão muito legais quando você está fazendo esforço”. Yes!!!

Tomei uns duzentos litros de água quando terminei. E estava tão animada que ainda fui pra academia malhar. Linda ideia! Uau! Sou o Incrível Huck, estou disposta, forte. Uhum…Só de manhã. Porque à tarde e à noite meus braços, costas, tudo doía incrivelmente muito! Bíceps, tríceps, trapézio, ombros, costas, lombar, todas as partes de mim gritavam. Eu descobri todos os músculos superiores que temos. Os conhecidos e os desconhecidos pelos médicos. Tudo que eu queria era uma cartela inteira de Dorflex. Mas eu não tinha. Tomei um chá Estiquei os braços na cama, e dormi. Satisfeita. Dolorida. Feliz.

06
mar

0

Na praça ou no parque – parte 1

Sabe aquela música “Carnaval…não mata, não engorda e não faz mal”? Então, quem escreveu isso tava doidão! Carnaval engorda sim! Se você comeu tudo errado e, pior ainda, ficou sentadão no sofá vendo tudo pela TV…..vixi! Engordou! Certeza!

Então, já que o ano “começou”, se você ainda não começou a se exercitar, aqui vai mais uma dica, dessa vez, pra te tirar do sofá e de casa, de uma vez por todas.

A primeira parte da ideia é: tocar a cadeira na rua! Isso mesmo! Eu estou tentando e, pra falar a verdade, to morrendo de dor no braço! Como boa tetra, minha força ainda é pequena e qualquer subidinha me mata. Mas eu to tentando. Conversando com meu ex-treinador de corrida, o preparador físico Rodrigo Inoye, fui despertada para os benefícios de fazer isso. Aumento de massa muscular, aumento de força, perda de gordura, aumento da capacidade cardiorespiratória. Além de ser um exercício super funcional, pois trabalha os músculos que usamos para nos movimentar no dia-a-dia. Você não gasta nenhum centavo pra se exercitar e ganha muita saúde!

Mas se você ta vendo as subidas como se fosse o Chupa-Cabra, pode começar tocando a cadeira num parque ou na pracinha perto da sua casa. Com certeza encontrará um terreno mais plano. Sobre essa atividade física e seus benefícios, conversei com dois amigos que já estão mais do que craques na “modalidade”.

fabiolaA Fabíola Pedroso é uma das amigas que está no projeto Por Uma Vida Saudável Sobre Rodas. Ela mora em São Paulo e há 2 meses começou a tocar a cadeira num parque perto da casa dela. “Escolhi essa atividade pela praticidade de ir e por não precisar pagar nada.No começo dava uma volta e cansava. Fazia bolha na mão. Hoje dou duas voltas. Senti muitas melhoras físicas. Melhora muito o intestino. Estou com os braços muito mais fortes! Além de queimar umas gordurinhas, claro! E emagrecer fez com que as transferências ficassem mais fáceis.”   A Fabi, com dieta e atividade física, já emagreceu 7kg! Tá um arraso!

Também conversei com o Yugo Rodrigues, que mora em Brasília. Ele já toca a cadeira no parque há um tempão. 1982298_632444290161631_219338437_n “Inicialmente o treino de tocar a cadeira no parque surgiu para melhorar o meu condicionamento físico somado ao lazer e prazer.  Comecei por convite de um amigo que queria dar um passeio e precisava de companhia. Fui algumas vezes só pra acompanha-lo e com o tempo fui aumentando o ritmo. Fazendo 6km, 8km, 10km, 12km…Os benefícios são muitos: o condicionamento físico facilita as transferências da cadeira pro carro, da cadeira para assentos mais baixos ou mais altos, cadeira de banho, trocar de roupa e outras funções que fazem parte da nossa rotina. O  simples fato de tocar a cadeira em distâncias mais longas ajuda na parte respiratória, pressão arterial, articulações” Estão vendo? Tudinho que o preparador físico Rodrigo me falou! O Yugo está mais adiantado que eu…rs

E o Yugo ainda acrescentou algo muito importante! “Como qualquer atividade física, tem que começar aos poucos, pra não haver nenhuma lesão muscular. Cada um com seu limite.”  Não vão querer sair pelo parque ou pela pracinha achando que são o Ayrton Senna da cadeira de rodas. Comecem devagar! Eu comecei com 2 quarteirões de subida. No plano é mais fácil, mas não vão querer tirar o atraso de um ano em um dia.

1781871_632444306828296_308451678_nAh, e lembram da luvinha de academia que eu mencionei no outro post? Eu uso, o Yugo também usa! Custa baratinho e salva nossas mãos, tão preciosas para o nosso dia-a-dia!

Se você não quer ir sozinho, chame um amigo, ou alguém da família com quem você curta conversar. Ou convide aquela pessoa que também está sedentária e precisa perder a pochete. Você se ajuda e,de quebra, ajuda outra pessoa também!

Pessoal, espero que coloquem essa ideia em prática e que comecem a curtir os benefícios da atividade aeróbica. Endorfina correndo solta no corpo, também ajuda a afastar as tristezas. Quanto mais exercícios você fizer, mais saudável e feliz ficará! Isso é tudo que a gente quer!

Semana que vem postarei outra dica do que fazer na praça ou no parque. bjss

24
fev

32

Minha primeira travessia

Dia 22 de fevereiro eu completei 1 ano e 4 meses de lesão. Pra comemorar, eu resolvi dar um tchibum e fazer minha primeira travessia.

A decisão foi tomada em cima da hora. Estava esperando um voo e vi uma notícia sobre a travessia, na quarta-feira. Na quinta, cheguei em casa e resolvi dar uma olhada melhor. Era o último dia pra inscrição, pra prova que seria em 9 dias. Eu estava precisando de algo que me fizesse sair da areia movediça e que também me levasse de volta às piscinas. Apesar de estar há 4 meses sem treinar, fiz a inscrição. E seja o que Deus quiser!

Treinei 5 dias e descansei na véspera. Na noite da prova, fui deitar cedo. Acordei de madrugada pra ir ao banheiro e…meu celular desligou e não ligava mais! Ai jisuisis! Fiquei uma hora tentando religá-lo e “o resto das horas que me restavam” de sono, vigiando o celular pra ver se não ia desligar e me fazer perder a hora. Saí da cama 4h! Esperei a turma passar aqui pra me buscar e lá fomos nós. No caminho, de Ribeirão à Campinas, tentei descansar, mas não rolou. Chegamos lá, tudo é festa. Adrenalina a mil.

1969319_10203440773126280_1251823860_n 1002650_10203440775966351_59321459_nA Ju foi “pintar”  meu braço (ela usou outro termo. Acho que foi tatuar..Mas como boa iniciante, eu não me lembro!).Eu e a Amanda, minha amigona, também iniciante em travessia, bem animadinhas, posando com nossos números. E eu tava doidinha pra entrar na água. No meio daquela galera toda, vi alguns malacabados. Tinha cadeirante, amputado, deficiente visual, gente como a gente, de todo tipo.

1622260_10203440777446388_447690483_nMinutos antes da largada, alguns de nós nos reunimos no píer, pra esperar ajuda. Sim, pois a largada era no meio do barranco de terra. Depois da chegada, tinha uma escada. Como nossas cadeiras e muletas precisavam ficar na chegada, eles nos desciam pelas escadas e, depois, nos subiam. Mas o pessoal da organização estava preparado pra isso. Na hora de descer, o moço perguntou meu peso. Quando eu disse, ele riu “Levinha, tipo um saco de cimento.” Fiquei esperando ele me jogar no ombro, mas ufa! Não aconteceu!

Minha prova era às 8:30. A do Rodrigo e da Ju era 10:30. Eu ria e pensava “Tenho 2horas pra completar. Beleza.” Bóra, entrar na água!1970612_10203440780846473_279375328_n

Nadávamos até a largada e esperávamos por ali. A largada da nossa turma era junto com o juvenil. Uma garota cadeirante me perguntou se eu ia largar no meio da muvuca. Lóóógico que não. Deixa o povo ir. Eu vim pra completar! To sem pressa. Apitaram! A primeira coisa que eu pensei foi: “O que é que eu to fazendo aqui mesmo?”.

1970581_10203440784006552_1415179959_n Beleza, olhei pra um lado, olhei pro outro. A maioria já foi. Agora eu vou. Dei umas dez braçadas e ganhei uma pesada na cara, de um menininho. Ah, que sensação  indescritível do pré-afogamento a uns 5 metros da largada. Beleza. Cabeça pra fora, dei uma olhada, se eu fosse mais pra direita, eu saía do meio do povo. Não adiantou muito, tinha tanto pé na minha frente, que eu fiquei meio atrapalhada e perdi aquele pique do começo. Mas tudo bem. Lá fui eu.

A primeira bóia parecia que não chegava nunca. Eu parei pra descansar umas duas vezes, boiando, mas continuava nadando de costas. Até que, depois de uma eternidade, que parecia meia hora (mas depois descobri que foram apenas alguns minutos), eu cheguei na primeira bóia. E quem disse que eu enxergava a segunda? Sol na cara, ansiosa, o fluxo de nadadores na minha frente diminuiu e meu óculos cheio de gotículas. O moço do caiaque chegou perto. Eu segurei nele, tirei o óculos e enxerguei a bóia. Ele olhou pra mim e disse: “Se você não estiver bem, você me chama que o barco vem e te leva de volta.” E eu disse:”Moço, você ta maluco? Eu vim pra terminar, não importa em quanto tempo.”  Olhei em volta e disse pra ele: “Eu to ficando muito pra trás. Que vergonha.” E ele olhou bem pra mim e falou uma coisa, que era o que eu sempre disse, mas o cansaço não me deixou raciocinar na hora: “Vergonha seria se você tivesse ficado em casa, no sofá.”

Lá fui eu, mirei a segunda bóia e bóra. Juro, juro pra vocês que eu delirava tanto, que eu achava que enxergava o fundo, bem pertinho de mim. Que doidera. Aí eu percebi que o “meu fundo” seguia um padrão, como se tivesse uma pedrinha a cada 10 respirações. Devia ser alucinação, falta de água bebível , sol na cabeça, sei la. Beleza. Mirei a próxima bóia, mas ninguém estava indo pra ela. Fui perguntar pros moços dos botes/caiaques..E vi que não tinha ninguém por perto. Fui nadando. Um tempão depois surge um moço, fazendo uma marola pra quase me afogar. Ele disse que era pra passar à esquerda daquela bóia e mirar a chegada. Vixi! A chegada ta longe pra caramba. O moço do caiaque tinha dito que a volta era mais fácil, porque a correnteza ajudava. Que correnteza? Acho que na minha vez ela cansou de trabalhar!

Então, depois de já ter parado pra descansar um total de  5 ou 6 vezes na prova, decidi ir até o fim sem parar. Não sabia como fazer isso, porque faltava cerca de 1/4 da prova (eu acho! Veja bem, eu já tinha tomado muito sol na cabeça e achava que já estava nadando há mais de 1hora, quando não devia fazer nem 20 minutos, de acordo com meu tempo final. Então, não dá pra confiar muito na minha noção de distância).

Quanto mais perto da chegada eu chegava, menos vontade de parar eu sentia, mas também tava cansada pra burro. Quando começou a ter bastante gente na margem, eu só conseguia ouvir gritos animados : “Vai Dani” “Força Dani” “Vamo Dani”. Era a Ju. Ela nem sabe o tanto que me ajudou naquele momento.

1780622_10203440786606617_895058504_nAté que enfim, depois do que eu achei que fossem as tais 2horas depois, mas não era nem meia hora, eu cheguei! Morrendo, olha a cara da pessoa! Mas eu consegui a sensação que eu tanto buscava. Aquela sensação, de apesar de estar passando por um momento complicado na minha vida, ter conseguido superar mais um desafio. A sensação de transpor mais um limite. A sensação de realizar um sonho, do qual eu vinha falando desde que eu estava no Sarah no ano passado. A sensação de estar cada vez mais perto do triathlon. Aquela adrenalina e toda  a endorfina, correndo no corpo inteiro. E não vou negar. Quando me sentaram na cadeira, e o Rodrigo e a mãe da Ju vieram me dar os parabéns e me ajudar, eu só conseguia chorar e repetir “Eu consegui! Eu não acredito que eu consegui!”

1964785_10203440788366661_516861187_n

19
fev

0

A importância da musculação na nossa vida

Todo mundo que me acompanha já percebeu que eu adoro esportes e atividades físicas de modo geral. Além de ser algo que gosto, virou um estilo de vida antes da cadeira, que eu procurei manter após a vida de rodinhas. Mas a questão não é só o gosto pessoal! Quando adotei esse estilo de vida saudável, há quase 10 anos, fiz essa escolha por observar a saúde dos meus pais começar a ficar comprometida devido à falta de atividade física e alimentação inadequada (e eles ainda eram bem novos quando começou a acontecer). Comecei a cuidar mais da alimentação e praticar atividade física com muito mais regularidade.

Mas qual a importância de continuar fazendo atividade física depois que virei cadeiruda?

Não é segredo que fazer atividades físicas, no nosso caso, não é fácil. Academias e profissionais sem informações ou acesso pra nos atender é o que não falta! É difícil chegar aos parques, clubes, ou às próprias academias, devido à falta de acessibilidade nas ruas. Mas muitos cadeirudos vem driblando tudo isso, porque estão seriamente preocupados com a saúde. Agora e no futuro.

Sabemos que usamos os braços para toda e qualquer atividade que realizamos, desde tocar a cadeira, até nos transferir, praticar um esporte, realizar uma atividade do dia a dia. A sobrecarga causada nos músculos dos membros superiores pode ocasionar dores e lesões, caso os músculos não estejam preparados para serem usados. E se não fortalecidos, com o tempo, esses mesmos músculos podem te deixar “na mão” e você vai precisar da ajuda das pessoas pra fazer qualquer coisa. Já dizia o Capital Inicial, procuramos independência. Então, nada de esperar chegar a esse ponto. Mexa-se!

Pra preparar esses músculos, nada melhor que? Musculação! Lá vamos nós, viciados num treino, ratos de academia, doidos pra levantar um peso.Uhuuu

2014-02-01 15.29.40 Sim! Mas saibam que não é só na prevenção de lesões que somos beneficiados.

Segundo o Prof. MSc Fred Ribeiro (sim, ele mesmo, nosso querido Fred, do Sarah), “aumentando a força e massa muscular, melhora o condicionamento físico aeróbio e diminui os riscos cardiovasculares!!! Importante, pois o Treinamento de Força (Musculação) é uma das atividades físicas mais acessíveis para a população usuária em cadeira de rodas. Existem máquinas (como por exemplo o cross over) em que não é preciso qualquer transferência para poder treinar boa parte da musculatura preservada pós lesão. E existe força pós lesão medular!?!? Sim, e MUITA!!! Basta treinar de forma adequada. Artigos científicos mostrando ganhos de força nos diversos níveis de lesão medular não faltam (quem tiver interesse, basta me pedir). Exemplos de pessoas com ganhos significativos de força, melhorando saúde e independência funcional, é mais fácil ainda de achar!!!”

E eu achei um monte de exemplos! Um deles é o Paulo César, que tem 33 anos. A lesão dele é T5 e T6. “Bom, eu sempre treinei mesmo antes do meu acidente que foi por arma de fogo, logo após minha reabilitação a primeira coisa que fiz foi procurar uma academia. Não era adaptada, mas era sem barreiras arquitetônicas. então dava para treinar tranquilo. Daí me matriculei e fui treinar, pois já fazia um ano que não praticava a modalidade. No começo me ajudou demais, pois melhorou minha postura e controle de tronco, que é o que mais nos deixa inseguros nas atividades diárias, como as transferências e tudo mais. Enfim foi a melhor escolha que fiz, pois pratico até hoje e não pretendo parar tão cedo. Abraços e bons treinos!”

paulo depois

Além desses benefícios, o Prof. Fred tocou num assunto delicado, no artigo que ele escreveu sobre nós cadeirudos. Vocês sabiam que as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte na população com lesão medula? Pois é. Por isso eu disse que o caso não é só melhorar a vida agora, mas pensar no futuro também.

Pra quem não está conseguindo ir pra academia, dois professores porretas da Companhia Athletica Ribeirão Preto e eu, estamos montando uma série de exercícios em vídeo pra ajudar quem ta em casa a começar. Enquanto isso, vão criando coragem de mostrar essas rodinhas pro mundo e encarar a academia na cara e na coragem. (Se você tá mais parado que poste, sentadão no sofá, pensando por onde começar,  já pode dar um start com os exercícios que postei semana passada. http://daninobile.wordpress.com/2014/02/15/bora-mexer-esses-corpinhos-primeira-sugestao-de-atividade-fisica/ )

Mas é só a musculação que ajuda, nesses casos? Não! Aí que entram as atividades aeróbicas e os esportes! Mas esse é assunto para os próximos posts (que eu já estou preparando!) 😉

15
fev

11

Bóra mexer esses corpinhos – Primeira sugestão de atividade física

Pessoal, tenho recebido várias mensagens de gente como a gente, que está tentando emagrecer, ficar feliz e saudável e parar de brigar com a balança e com os exames médicos.

1654466_3881660697922_1713617679_n

Tem muita gente me perguntando, além de dicas de dieta e alimentação, quais os exercícios que eu faço na academia e o que fazer caso a academia ainda seja um objeto mais desejado que o doce Camaro Amarelo.  Sim, pois muitas academias não estão preparadas pra receber um cadeirante. E muitos amigos das rodinhas também estão tímidos demais pra chegar lá, na cara e na coragem, perguntando se pode “puxar uns ferros”.

Já que um dos objetivos do Blog é esse, vamos partir de uma atividade bem simples. Dá pra fazer em casa. Tudo que você vai precisar é: um cabo de vassoura. Não precisa nem comprar, porque todo mundo tem em casa. Conseguir um só será complexo se for hora da faxina. =p

Vamos ao exercício. Um deles foi sugerido pela Tabata, que aprendeu com um educador físico. Outra variação foi sugerida pela nossa amiga Andrea Schutte, cadeirante e educadora física que busca alternativas para si própria ( e que eu vou copiar tudão pra nós, com autorização dela, claro. Afinal, ela também está no nosso projeto “Por Uma Vida Saudável Sobre Rodas”.). Outra opção eu mesma pensei, procurando imagens para ilustrar essa matéria. Na falta de fotos do Google, tive que pagar mico. Também to aqui pra isso. Tentei fazer aquela cara de paisagem das fotos de revista, mas não rolou. Agradecimentos à fotógrafa Mamis, que não gosta nem sabe tirar fotos, mas se esforçou bravamente.

A primeira opção é simples. Basta segurar o cabo de vassoura e girar os braços, como se você estivesse pedalando.

Colagens2

Na segunda opção, você segura o cabo da vassoura e gira o corpo pros lados. (Se você conseguir esticar os braços mais do que eu consigo, melhor!)

Colagens1

Na terceira opção, segura o cabo da vassoura. Levante e abaixe os braços. (PS – to tortinha na foto pq tenho lesão alta e meu lado esquerdo é mais fraco que o direito. Eu costumo “pender pro lado”. Estou trabalhando nisso.)

Blog1

Pra quem não tem apreensão das mãos suficiente para segurar o cabo, você pode tentar colar velcro nas pontas do cabo e na parte interna de uma luvinha (daquelas de academia).

Segundo Andrea, “São exercícios que trabalham bastante a força abdominal (todos os músculos abdominais) e isso ajuda bastante no equilíbrio de tronco. Além de trabalhar outros músculos.” Que músculos? De forma bem simples, ombros, braços e costas.

Não se preocupe com o número de repetições, ou por quanto tempo está fazendo o movimento de pedalar. Talvez seja cansativo nos primeiros dias, mas com o tempo, seu desempenho irá melhorar muito! Não esqueça de beber água (ainda mais nesse calor. Depois virão reclamar que suaram – que inveja de quem transpira –  e ficaram esturricados) e tentar alongar-se após a atividade (peça ajuda se for preciso). Bóra tentar?

10
maio

0

Cadeirante correndo em Interlagos? Por que não?

Um belo dia, abro meu Facebook e vejo uma foto de um dos meus amigos virtuais, falando que estava indo treinar em Interlagos. Como louca cadeiruda que sou, não duvidei do meu amigo sobre rodas. Mas pensei: “um dia quero ver isso de perto”.

Cadeirantes em Interlagos – Foto: Divulgação

E esse dia chegou! Mas deixa eu contar como. Conheci esse meu amigo, o Thiago, pessoalmente, na Reatech. Fui dar uma olhada no stand deles e conheci os outros pilotos.

Paulo Polido, que além de piloto é idealizador desse projeto, era piloto de motocross. Aliás, foi o motocross que o deixou cadeirante, pois ele se acidentou durante uma prova. Mas isso não o abalou! Em 2006 foi o 1º piloto deficiente a participar do Rally Internacional dos Sertões e formou a 1ª equipe com pessoas com deficiência a participar das 500 Milhas de Kart da Granja Viana. Quem é próximo brinca que ele tem um motor no lugar no cérebro. Tanto que conseguiu voltar ao motocross recentemente! Sim, ele é cadeirante, mas lutou tanto por esse sonho, que conseguiu!

O Tales Lombardi era piloto de aeronaves, ficou na cadeira após uma falha mecânica no helicóptero que pilotava. Pensa que ele ficou na cadeira pensando que a vida acabou? Agora ele voa baixo nas pistas, pois é campeão de kart adaptado e piloto em Interlagos.

E o Thiago Cenjor, que ficou cadeirante após um assalto. Foi integrante da equipe de kart adaptado, que o Paulo formou em 2006. E anos depois também foi campeão de kart adaptado!

Lá na Reatech, conversei bastante com eles e eles me convidaram pra estar no box da Equipe IGT, na próxima etapa do Campeonato Marcas e Pilotos, que seria em duas semanas, em Interlagos. E eu fui!
Quem olha os carros na pista, não percebe que um deficiente está pilotando um deles. Fui olhar de perto as adaptações feitas no carro. Tem que ter raça pra pilotar um carro não-automático, naquela velocidade toda.

E quem pensa que os meninos foram lá de alegres, sem preparo nenhum, está muito enganado. Pra ter a carteira de piloto, a PGC (Pilotos Graduação de Competição), eles treinaram muito, passaram por exames médicos e tiveram que, inclusive, provar que conseguem sair do carro em 15 segundos, durante os testes.

Os meninos ainda estão começando, afinal, estamos na 4ª etapa de um mega projeto que está apenas no início. Mas a corrida já emociona, pelo barulho dos carros acelerando nos boxes, pelo apoio da torcida, pela adrenalina do ronco dos motores passando a toda velocidade na pista. Aí você pensa que quem está ali é um cadeirante, que podia estar em casa reclamando da vida, sentado na cadeira de rodas lamentando o acidente, sentado no sofá com o controle da TV na mão. Mas ele está ali, correndo de igual pra igual com 40 andantes, ou mais. Provando pra si e pros outros, que quando a gente quer, a gente vai lá e faz!

Duvida? A próxima etapa é dia 26 de maio. A entrada em Interlagos é gratuita, mas o estacionamento é pago. Mas vai lá, senta na arquibancada, assiste a corrida e tente descobrir qual é o carro dos “malacabados” na hora da largada!

Ah, e pros meus amigos cadeirudos que estão querendo por fim à vida de lamentações, o Paulo está procurando gente pra correr de kart na equipe deles. Procure por ele e faça um test! Quem sabe você também não se torna um viciado por esportes a motor?

Texto originalmente publicado no Blog Mãos pelos Pés, no Running News

16
abr

0

Vela: um caso de amor

Quando você está apaixonado, você tem vontade de sair gritando pro mundo! O povo já trata de mudar o status do Facebook rapidinho. Será que posso ter dois novos amores? Será que posso colocar lá “em caso de amor com a vela e a canoagem”?

Vela no Lago Paranoá – Foto: Arquivo Pessoal

Meu Deus! Fiquei em dúvida sobre qual escrever primeiro. Aí, optei pela vela! Sem ciúme, canoagem, caiaque gracinha, vocês serão os próximos!

Contando a verdade. Quando li “vela” na minha grade de atividades do Sarah, não me empolguei. Pensei “mas que porcaria eu vou fazer lá?” E tinha 2 horas de atividade marcadas! Ó meu Deus! Respiremos!

Aí vem o querido professor Rodrigo, com aula de teoria! E eu, sentada (óbvio), adorando!

Vários significados novos para as palavras. Orçar, não é fazer orçamento! Caçar não é ficar atrás de um bicho com a intenção de atingi-lo com projétil (muito menos o que uns caras bobos fazem quando vão pra balada). Morder não é aquilo que o cachorro faz. Biruta não é gente doida. Catraca não é de ônibus, nem a da porta da academia. E ainda tem arribar, cambar, bombordo, boreste, retranca, quilha, jaibe, través…Leme, proa e popa, nem vou comentar, porque todo mundo sabe o que é!

E eu pensando:”Como eu vou decorar tudo isso?”. Claro que o professor ajudava, com umas piadinhas que…melhor não comentar! E depois eu pensava: “Pra que eu preciso saber tudo isso, se é só sentar naquele veleiro enorme e ficar curtindo o vento?” Ahãm…doce ilusão. E ainda bem que era ilusão! Porque no veleirinho amarelo, o Escape, é bem melhor! Centenas de vezes melhor!

Bem, entramos com o veleiro na água e eu já entendi o porquê do “Dani, vai de maiô e um shorts”. Entrou água pra tudo que era lado. Quem me conhece sabe bem a cara que eu fiz nessa hora. No melhor estilo “oba” possível.

Mas ainda não estava mega empolgada. Achei que ia ser uma paradeira danada. Até que os ventos começam a soprar, o professor diz “Dani, pega o leme” e começa a usar todas aquelas palavras lindas que eu tinha acabado de aprender e reaprender e eu fui ficando muito louca! Depois, o professor e o marinheiro, responsável por nos acompanhar no bote ao lado, começaram a falar outras palavras lindas e eu fui ficando mega empolgada!

Fizemos treino de sobrevivência, pois é necessário aprender a saber o que fazer caso a embarcação vire e você caia na água. E eu, mesmo de colete salva-vidas, dei umas braçadinhas na água do lago, para poder alcançar a popa e subir novamente (sozinha) na embarcação. E me empolguei mais ainda com tanta adrenalina!

No primeiro dia pareceu muito complicado, mas muito, muito ótimo. E eu saí da água com aquele gostinho de quero-mais, contando os segundos para a próxima aula.

A segunda aula chegou num dia de tempo nublado. Já fiquei toda triste, pensando que não ia ter aula. Até que um dos marinheiros do Sarah disse “Hoje está bom demais pra vela. Olha o vento” e apontou pra água. Eu conseguia ver o vento, mas não para onde ele estava indo ou de onde estava vindo. Aprendi nesse dia. O professor Rodrigo também me ensinou como perceber, pela água, que uma rajada de vento de aproxima. E nesse dia, meus amigos, tivemos várias e fortes rajadas de vento e a aula de vela mais animalmente empolgante da minha vida! A embarcação, que obviamente é na horizontal, chegou a verticalizar. Mesmo com o professor e eu fazendo peso pro lado contrário. Foi o dia que mais aprendi na prática. E fiquei sozinha por uns 5 minutos na vela. O professor voltou com medo que um jaibe fizesse a retranca bater na minha cabeça com muita força (falei grego?).

A Vela Adaptada, no Brasil, teve início em 1999 com o Projeto Água-Viva, desenvolvido a partir de uma parceria entre a Classe de Vela Day Sailer, o Clube Paradesportivo Superação e o Clube Municipal de Iatismo em São Paulo.

Os atletas treinam em vários tipos de barcos: o 2.4mR, oficial das Paraolimpíadas, o Day Sailer, barco de 5 metros sem quilha, que não é oficial. Em 2008 chegou ao país o barco Sonar, que foi usado pela equipe brasileira nas Paraolimpíadas de Pequim, e que será usado para treinamento dos atletas que participarão das Paraolimpíadas de 2012.

Com o apoio do CPB, a Vela paralímpica vem tendo um crescimento exponencial, tendo a equipe da CBVA conseguido a vitória de representar o país nas Paraolimpíadas de Pequim, com os atletas cariocas Luiz Faria, Darke de Matos e Rossano Leitão.

Pessoas com deficiência locomotora ou visual podem competir na modalidade. A Vela paralímpica segue as regras da Federação Internacional de Iatismo (ISAF) com algumas adaptações feitas pela Federação Internacional de Iatismo para Deficientes (IFDS). Três tipos de barco são utilizados nas competições paralímpicas: o barco da classe 2.4mR tripulado por um único atleta; o barco da classe Sonar, com 3 atletas; e o barco SKUD-18 para 2 tripulantes paraplégicos, sendo obrigatoriamente 1 tripulante feminino.

As competições, denominadas de “regatas”, são percursos sinalizados com bóias, feitas de acordo com as condições climáticas, de forma que o atleta teste todo seu conhecimento de velejador. Barcos com juízes credenciados pela ISAF fiscalizam o percurso, podendo o atleta ser penalizado com pontos, caso infrinja alguma regra. Uma competição é composta de várias regatas, ganhando o evento aquele que tiver melhor resultado, após a somatória de todos as suas colocações nas regatas.

A vela é maravilhosa em dias sem vento, pra você curtir a paisagem, conversar (se tem alguém junto) e pensar na vida. Mas dá o maior trabalho pra sair do lugar. Você tem que ficar atrás do vento, cambando e cuidando pra vela não panejar (falei grego de novo, ou hebraico dessa vez?). Legal mesmo é quando tem aquele ventão.

Mas, independente de como seja, amigos e amigas cadeirudos, eu indico! Tentem! Mas vão com quem manja, pra não passar apuros. E pros andantes que tiverem a chance, tentem também! Vale muito a pena!”
551218_597390123605011_295808366_n

26
mar

1

Eu e o basquete

Bem, prometi e agora tenho que cumprir! No último post prometi que eu falaria sobre o basquete adaptado. Então, here we go!

Primeira dica pras meninas cadeirudas que pretendem experimentar esse esporte: Se você tem frescura com unhas quebradas e é encanada com esmalte descascado, não jogue basquete na cadeira de rodas! Destrói suas unhas! Como eu não ligo pra isso (é só ir lá, lixar o que sobrou – das primeiras vezes eu quebrei TODAS as unhas – e pintar de novo), tenho adorado esse novo esporte!

É um esporte bem rápido, gostoso, estimula o espírito de equipe e treina sua agilidade com a cadeira.

Está certo que, no Sarah, jogamos só pra experimentar, movimentarmo-nos, por isso, a diversão é garantida! Ainda não tive a oportunidade de assistir a uma partida oficial. Creio que deve ser bem mais tenso. Mas, para quem deseja ingressar em um esporte adaptado, acho a opção ótima!

Utilizamos uma cadeira especial, com diferente cambagem nas rodas (as rodas não ficam na vertical, como nas cadeiras que utilizamos no dia-a-dia. Elas são posicionadas em um ângulo menor que 90º. Procurei na internet, e ainda não encontrei o ângulo).

Bom, mas para uma tetra como eu, nem tudo são flores. Eu não tenho força suficiente no braço (ainda) para arremessar a bola e alcançar a cesta. Já melhorei! Depois de jogar 4 vezes , já consigo acertar a redinha da cesta! Já é um avanço!

Tá, agora, vamos às regras do jogo! A cada dois toques na cadeira, o jogador deve quicar, passar ou arremessar a bola. Aí, quando alguém da mais de dois toques a gente grita “faaaaaaalta”. Isso não deve acontecer num jogo oficial! Com certeza não acontece! As dimensões da quadra e a altura da cesta são as mesmas do basquete olímpico. Estão vendo por que não consigo alcançar a cesta? É alto pra caramba!

Na primeira vez que jogamos, o professor deixou a gente se arrebentar. Calma! Ele deixou as disputas por bola serem bem…hum…animadas! Podíamos trombar as cadeiras e isso fez o jogo ficar divertido e rápido (no melhor estilo carrinho de trombada. Eu estava adorando). Porém,a partir da segunda vez que jogamos, foi-nos esclarecido que trombar a cadeira intencionalmente (eu fiz isso pra caramba na primeira vez) também é falta! Você precisa, no mínimo, tentar frear a cadeira. Então, lá vou eu, tem que defender a bola, tentar roubar do adversário, contar quantos toques no aro você deu pra não ser falta, lembrar de frear a cadeira pra não trombar com ninguém, arremessar satisfatoriamente para seus companheiros de equipe e (E!) tentar acertar a cesta! Ufa! Mas eu adoro!

Outra coisa que acontece conosco e eu não sei se acontece nos jogos oficiais é a nossa posição no jogo! Depois que já tinha jogado várias vezes (na verdade, to tentando contar e acho que foram mais de 4 vezes!), um menino debutando no basquete de cadeira, veio perguntar:”Dani, você é boa no ataque ou na defesa?” e eu disse :”na defesa”. Ele começou a dizer que eu tinha que me posicionar não sei onde na quadra, que ele ia jogar na frente…Tinha outro amigo na conversa. Olhamos um pra cara do outro e eu perguntei:”Você já jogou basquete na cadeira?”. Diante da resposta negativa do novo colega, meu amigo soltou: ”irmão, não dá tempo de nos separarmos por posição, não. O jogo é muito rápido.” Realmente, não sei como funciona isso num jogo oficial (quando eu assistir a um, eu conto tudo), mas no nosso, a questão de movimentação é bem rápida! De repente, você está embaixo da cesta de defesa e menos de um minuto depois, debaixo da cesta do ataque.

E eu não tenho medo de bolada, nem de me entrincheirar com os meninos na disputa de bola! Vou enfiando a cadeira no meio deles, e borá tentar roubar a bola e ser feliz!

Agora, vamos à história do basquete sobre cadeira. O basquete em cadeira de rodas começou a ser praticado nos Estados Unidos, em 1945.

Os jogadores eram ex-soldados do exército norte-americano feridos durante a 2ª Guerra Mundial. A modalidade é uma das poucas que esteve presente em todas as edições dos Jogos Paralímpicos. As mulheres disputaram a primeira Paralimpíada em Tel Aviv, no ano de 1968. O basquete em cadeira de rodas foi a primeira modalidade paralímpica a ser praticada no Brasil, em 1958. Os principais responsáveis pelos primeiros passos foram Sérgio del Grande e Robson Sampaio. Nos II Jogos Parapan-americanos, em Mar Del Plata, em 2003, a seleção brasileira masculina conquistou uma vaga para Atenas 2004 retornando a uma edição de Jogos Paralímpicos após 16 anos de ausência. Já a seleção feminina participou apenas dos Jogos de Atlanta 1996. No Parapan do Rio de Janeiro, em 2007, o Brasil conquistou o 4º lugar no feminino e o 3º no masculino. (http://www.cpb.org.br/modalidades/basquetebol/)

E, como em qualquer esporte adaptado, também há classificação funcional! Para quem quiser saber mais, inclusive sobre regras e campeonatos, há também o site da Confederação Brasileira de Basquete em Cadeira de Rodas (CBBC), – http://www.cbbc.org.br/

Bem, vim pra Brasília sabendo que há um time de basquete na minha cidade. No início, não foi algo que me apeteceu. Porém, agora confesso que eu até gostaria de ir uns dias pra me divertir e dar umas risadas nos treinos. E se, além da natação não encontrar mais nenhum esporte praticável na minha cidade, posso tentar o basquete . Isso porque minha paixão está nas águas mesmo. Mas isso ficará pros próximos posts. Sim, no plural! São dois esportes. Um post só não dará conta de tanta emoção!

Texto originalmente postado no blog Mãos pelos pés, no Running News

Page 4 of 5