02
maio

0

Reatech 2013

Gente, aconteceu tanta coisa nesses últimos dias, que vocês devem pensar que os abandonei…Mas não é verdade! Olha a Reatech aí!

Primeiro, teve minha alta do Sarah. Sofri! Sofri muito! Chorei litros e baldes de lágrimas…E sinto muita falta do meu querido e amado “Quarteto Fantástico”, professores Fred, Cadu, Rodrigo e Elisa. Aprendi muito com eles e devo muito a cada um deles. E sinto falta do pessoal da Náutica, das enfermeiras, dos médicos, das fisioterapeutas, do Lago Paranoá…

Reatcech 2013 – Arquivo Pessoal

Também sofri muito ao me despedir da minha amiga Carla e da família dela. Eles cuidaram tão bem de mim e ela foi mais que uma amiga. Foi uma irmã! Chorei mais litros e baldes de lágrimas no avião (mas ela só ta sabendo agora dessa parte!)

Mas, mal coloquei minhas rodinhas em solo Ribeirão Pretano, lá fui eu alçar voo novamente. Dessa vez, fui pra São Paulo, direto pra Reatech 2013.

Pra quem não sabe, a Reatech é a Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade. E eu, fui direto pro stand da Mobility Brasil, que ficava bem na entrada da feira, onde eu aprendi muito, conheci e vi muita gente!

Foram quatro dias incríveis que eu tentarei resumir! Confesso que está até difícil escolher a foto pra esse post (queria poder colocar várias – pra quem quiser dar uma olhada em todas as que eu tirei, abri a visualização do meu álbum da Reatech no Facebook), quanto mais escrever um pouco do que rolou, sem ficar dias e dias aqui, escrevendo um pergaminho atrás do outro.

Pude conhecer amigos virtuais que, como qualquer outra pessoa, mata seu leão por dia pra sobreviver. Também pude conhecer pessoalmente amigos cadeirudos que já me ajudaram e ensinaram muito no mundo virtual e passaram pro mundo real.

Conheci pessoalmente, também, personalidades do mundo sobre rodas, que tenho a felicidade e honra de chamar de amigos, como Tabata Contri, Billy Saga, Jairo Marques, Fernando Fernandes, Selma Rodeguero, entre outros. E conheci pessoas importantes que acrescentaram muito no meu dia e na minha vida, como Mara Gabrili (uma simpatia e doçura) e Marcelo Yuka (5 minutos que valeram a pena na minha vida).

Mas eu não fui lá só pra ver gente (apesar de que, isso foi uma das coisas que mais gostei). Eu fui pra conhecer a feira e todas as novidades pra quem anda nas rodinhas.

Primeira coisa muito legal pros amantes de esportes eram as palestras do Comitê Paralímpico. Eu queria ter assistido todas, mas não pude.

Teve sobre canoagem, triathlon, Jogos Paralímpicos e por aí vai.

Tinha um stand bem legal, da Fundação Selma, onde o pessoal podia testar os benefícios da Equoterapia. Tá..não fui, porque morro de medo de cavalo! Mas tirei foto e fiquei um tempão olhando…

Havia o stand da Mobility Brasil, onde o pessoal podia tirar a medida da cadeira de rodas com especialistas, testar vários modelos e até sair com a sua TiLite lindona, na mesma hora. (Mas a minha chega daqui uns dias porque..bom, vou fazer surpresa).

Tinha o stand dos meninos do IGT, com as motos de motocross e o carro adaptado que a equipe de cadeirantes usa pra correr em Interlagos.

E pros amantes do esporte, havia quadras! Confesso que morri de vontade de ir jogar basquete todos os dias. Quase fui sequestrada por um amigo, no domingo. Mas fiquei com vergonha. Quem me leu, lembra que ainda não consigo alcançar a cesta…Havia pista de atletismo e houve futebol para cegos, testes de halterofilismo e canoagem (o Fernando me fez pagar mico, sentar no caiaque e simular uma remada, na frente das pessoas! Pensa num homem que só não foi enforcado porque havia muitas câmeras e testemunhas).

Agora, uma coisa muito legal que eu fiz foi…dirigir! Sim, peguei num volante pela primeira vez, depois de 5 meses e meio. Gostei tanto e fui tão bem atendida pelo moço (lindo, mas pula essa parte) prestativo, que testei cinco modelos, com adaptações diferentes. Eu pensava que só havia uma jeito de acelerar e frear com as mãos, empurrando e puxando a alavanca. Mas descobri que há outras formas. E eu até preferi! Vamos ver se consigo importar algo pro interior do estado!

Tive o privilégio de conhecer pessoalmente muitos atletas, de várias modalidades do esporte adaptado, como a Jady e o Dado, do ciclismo, o Evandro, que além de pedalar, joga golfe adaptado (será que eu vou testar isso um dia, com ele?), o Alex, da esgrima, o Thiago e o Paulo, meus amigos que pilotam em Interlagos. Aprendi muito com todos eles.

Verdade seja dita, aprendi o tempo todo nessa Reatech. Aprendi a respeitar e admirar todo tipo de deficiência, pois lá a convivência foi pacífica entre todos nós (tinha uns cães guia coisa mais fofa). Aprendi muito com as meninas que estavam comigo no stand da Mobility e que tem muito mais experiência sobre rodas do que eu. Aprendi muito nas conversar com Billy e Serginho do Movimento Superação e levo muita história pra contar.

Comentei com um amigo que, depois do Sarah e da Reatech, é bem complicado voltar pro mundo real, onde as calçadas são esburadas, onde não há banheiro adaptado em qualquer restaurante, onde os degraus são altos e curtos demais, ou a rampa é impossivelmente inclinada. Mas há sempre alguém disposto a empurrar sua cadeira e dar uma mãozinha quando sua mão de tetra falha (no caso, as minhas).

Ainda não contei sobre todos os esportes que aprendi no Sarah. Mas nós temos muitos posts juntos pela frente!

reatech 2013

No Comments

Responder